Com o retorno de Slash e Duff McKagan, Guns N' Roses faz show explosivo e dribla chuva em SP

Por Guilherme Mendes

Foto por Katarina Benzova / Divulgação
Foto por Katarina Benzova / Divulgação

Em janeiro deste ano, fãs do mundo todo foram surpreendidos com a notícia de que o Guns N’ Roses voltaria a tocar, após 23 anos, com integrantes de sua formação original. A banda, que teve o último show com Axl Rose, Slash, Duff McKagan, Gilby Clarke e Matt Sorum reunidos no mesmo palco em 1993, em Buenos Aires, na Argentina, seguiu, durante todos esse anos apenas com o vocalista de integrante remanescente. Desde então, Axl se segurou como pôde, mas perdeu parte do gás que deu ao Guns N’ Roses o status de maior banda do mundo nos anos 90.

A primeira apresentação marcando o retorno triunfal do guitarrista Slash e do baixista Duff McKagan aconteceu no festival Coachella, em abril, nos Estados Unidos. Meses depois, a banda anunciou a passagem da turnê histórica pela América do Sul, incluindo o Brasil na rota de shows.

Nesta sexta-feira, 11, o Guns N’ Roses aterrissou em São Paulo para a primeira, das duas apresentações marcadas para o fim de semana, no estádio Allianz Parque. Com 45 mil ingressos esgotados, a banda iniciou o show com ‘apenas’ 30 minutos de atraso e tocou sob forte chuva que caiu durante toda a noite na capital paulista.

Hora do show

Faltando pouco mais de 1 hora para o início do show, diversos espaços do Allianz, incluindo a pista premium, ainda estavam relativamente vazios. O público, em sua grande parte munidos de camisetas ou acessórios característicos da banda, como o lenço vermelho e o chapéu de Axl Rose ou de Slash, chegava aos poucos para a apresentação. A atitude é considerável, tendo em vista que a grande maioria já possui conhecimento do hábito um pouco deselegante do vocalista, de atrasar – e muito – a entrada ao palco. A surpresa veio então quando as luzes do estádio se apagaram por volta das 21h30 (30 minutos após o programado) e a banda apareceu, levando a plateia ao delírio.

Os primeiros segundos de apresentação já mostravam que a noite seria completamente diferente do que os brasileiros assistiram nas últimas passagens do GN’R por aqui – principalmente se comparada à morna turnê de 2014. Com “It´s So Easy” abrindo o show, Axl Rose, visivelmente mais magro e disposto, correu pelo palco e mostrou toda a sua desenvoltura aos 54 anos. Contudo, a explosão de gritos aconteceu mesmo quando a primeira imagem de Slash foi transmitida nos telões. A ficha parecia cair. Depois de anos de espera, o verdadeiro Guns N’ Roses estava de volta!

Mr. Brownstone” e “Chinese Democracy” deram sequência ao show, e ainda nestas faixas, a voz de Axl sumia por alguns momentos em meio ao instrumental e coro do público – algo que foi se resolvendo ao desenrolar da apresentação, conforme o vocalista ia se aquecia. Em “Welcome To The Jungle“, um dos maiores sucessos da banda, Slash apresentou um solo hipnotizante, destacando-se pela fascinante habilidade e domínio do instrumento. O guitarrista também brilhou sozinho em diversos momentos do show, como em “Wish You Were Here“, cantada apenas pelo público.

15025166_1767756140141360_4376350476057533208_o
Foto por Katarina Benzova / Divulgação

Além das faixas mais pesadas, que tomam boa parte da setlist, o repertório também conta com as icônicas baladas gravadas ao longo da carreira do Guns. Uma delas foi responsável por um dos momentos mais marcantes da noite. Ao tocar “November Rain” no piano, a chuva, ironicamente, cessou, e Axl Rose viu o estádio ser completamente tomado por balões vermelhos, iluminados com o apoio dos celulares do público. A homenagem havia sido organizada com antecedência pelos fãs, nas redes sociais.

Os diálogos da banda com o público foram bastante limitados. Axl e Slash também interagem pouco entre si, mas não se evitam durante a performance. Os momentos em que se aproximam, são suficientes para que os fãs enlouqueçam.

Alguns covers também foram apresentados pelos americanos, entre eles faixas de Paul McCartney (“Live and Let Die“), Bob Dylan (“Knockin’ On The Heaven’s Door”) e The Who (“The Seeker”).

A noite foi encerrada com o sucesso “Paradise City“, acompanhada de muita pirotecnia e mais um solo de Slash ao se despedir. Antes de deixar o palco, os integrantes agradeceram ao público e prestaram uma homenagem a Leonard Cohen, que faleceu esta semana, com a foto do músico exibida nos telões.

Neste sábado, 12, a banda volta a se apresentar em São Paulo. Depois seguem para o Rio de Janeiro, 15, onde tocam no Engenhão; Curitiba, 17, na Pedreira Paulo Leminski e Brasília, 20, no Estádio Nacional. Os ingressos estão disponíveis.