Dream Theater faz apresentação pontual e longa em São Paulo

Crédito: Edi Fortini / Mercury Concerts
Crédito: Edi Fortini / Mercury Concerts
Crédito: Edi Fortini / Mercury Concerts

Depois de se apresentar em Porto Alegre e Curitiba, a banda de metal progressivo Dream Theater fez no último sábado (4), a terceira apresentação da turnê “Along for the Ride Tour“, em São Paulo. Carregada de efeitos audiovisuais, os americanos subiram no palco do Espaço das Américas pontualmente às 21h, e como de costume, entregaram aos fãs um show com duração de quase 3 horas e extensos solos.

Os que já tinham tido a oportunidade de ver alguma das apresentações da banda no país, não foram recebidos com grandes novidades, além de claro, a inclusão das novas músicas no repertório. O tecido estendido frente ao palco com projeções caiu e o espetáculo teve início com  a faixa “False Awakening Suite“, do novo álbum intitulado “Dream Theater”. Na sequência, mais músicas recentes como “The Enemy Inside” e “The Looking Glass” foram executadas sem muito impacto sobre a plateia que aguardava os clássicos da banda, e com exceção dos mais jovens, só teve a primeira reação de envolvimento total com o show em “Trial of Tears“, de 1997. A exibição de Mike Mangini no telão, em sua monstruosa bateria, também fez com que o público reagisse de maneira mais eufórica.

Breaking All Illusions“, do penúltimo disco da banda “A Dramatic Turn of Events”, de 2011, encerrou a primeira parte do show, que com apenas 9 músicas já havia ocupado mais de 1h10. Durante a pausa, de aproximadamente 15 minutos, foram exibidas no telão imagens de fãs cantando e tocando diversas músicas da banda.

No retorno ao palco, o público se mostrou bem mais envolvido durante “The Mirror“, do disco “Awake”, que coincidentemente completava vinte anos no dia do show em São Paulo e foi lembrado pelo vocalista James: “Muitos aqui nem eram nascidos”. Com menos músicas, a segunda parte contou com as faixas “Lie“, “Scarred“, “Space Dye Vest” e foi encerrada com “Illumination Theory“.

Os fãs ainda tinham o BIS pela frente, que com apenas 4 músicas teve duração de quase uma hora. “Overture 1928” foi a faixa escalada para trazer os integrantes, que pareciam incansáveis, de volta ao palco. A escolha do clássico foi certeiro e animou a plateia que conferiu na sequência “Strange Déjà Vu” e “The Dance of Eternity“. Ao final, mais uma faixa do álbum “Scenes from a Memory” (1999): “Finally Free”.

Mesmo com sinais de cansaço, sentado em frente a bateria, James, antes de se despedir do público, declarou que sempre leva boas lembranças do país e com certeza retornarão nas próximas turnês da banda.

Ainda hoje o Dream Theater se apresenta no Rio de Janeiro, e de lá segue para Brasília, onde se apresenta no dia 07 de outubro. Recife e Fortaleza encerram a passagem da banda pelo Brasil com shows nos dias 10 e 11 de outubro, respectivamente.

Setlist 

“False Awakening Suite”
“The Enemy Inside”
“The Shattered Fortress”
“On the Backs of Angels”
“The Looking Glass”
“Trial of Tears”
“Enigma Machine”
“Along for the Ride”
“Breaking All Illusions”

Intervalo

“The Mirror”
“Lie”
“Lifting Shadows Off a Dream”
“Scarred”
“Space-Dye Vest”
“Illumination Theory”

Bis
“Overture 1928”
“Strange Déjà Vu”
“The Dance of Eternity”
“Finally Free”