Prestes a desembarcar no Brasil, The Maine concede entrevista exclusiva ao Portal da Música

Divulgação
Divulgação

Há 8 anos na estrada, a banda americana The Maine, formada por John O’Callaghan, Kennedy Brock, Jared Monaco, Pat Kirch e Garret Nickelsen, possui uma forte relação com o Brasil. Com um DVD gravado na cidade de São Paulo, a banda chega ao país pela quarta vez nos próximos dias, onde estreará a turnê de divulgação do álbum mais recente, “American Candy” – o quinto da carreira do The Maine. A passagem será marcada por apresentações no Rio de Janeiro (31 de julho), São Paulo (01 e 02 de agosto), Porto Alegre (4) e Curitiba (5).

Mas antes de dar início à nova turnê, o Portal da Música bateu um papo com Kennedy Brock, guitarrista da banda, que falou sobre os shows no país, o álbum “American Candy” e até arriscou diversas palavras em português. Confira na íntegra:

Porque o Brasil foi escolhido para dar início à turnê do “American Candy”?
Kennedy: Vocês sabem, nós amamos o Brasil! É sempre muito divertido fazer shows aí. Sem querer deixar os outros fãs ao redor do mundo com ciúmes, mas a sensação de se apresentar no Brasil é inexplicável!

E o que os fãs podem esperar do setlist? Terão músicas dos discos anteriores?
Kennedy: Sim, nós vamos tocar músicas dos outros álbuns. Claro que muitas serão do mais recente “American Candy”, mas podem esperar pelas antigas nos shows. Será uma mistura.

O “American Candy” traz uma sonoridade muito diferente do antecessor, “Forever Halloween”. Como ocorreu essa transição? Vocês tiveram receio da reação dos fãs?
Kennedy: Eu acho que nós não perdemos a identidade, apenas mudamos a maneira de fazer o som. Acredito que os fãs sempre esperam algo a mais, e nós esperamos que elas continuem gostando e nos acompanhando. Sempre estaremos inovando.

O que inspirou o “American Candy”?
Kennedy: Nós estamos numa ótima fase da banda. Um momento muito feliz e divertido e queríamos que isso também transparecesse no nosso trabalho. Nos sentimos novos, começando do zero e isso nos fez muito bem. Quando as músicas deste álbum foram produzidas, estávamos em momentos muito alegres e eu acho que a mudança não foi nada mais do que uma reação a isso.

E qual a sua música favorita do novo álbum? 
Kennedy: Eu gosto muito de todas as músicas do “American Candy”, mas me divirto muito tocando “English Girls”. É difícil ter que escolher uma. Acredito que isso muda com o dia-a-dia. (risos)

Se você pudesse descrevê-lo (American Candy) em uma palavra, qual seria?
Kennedy: Hum, divertido (em português). Ele é bem divertido. Ou então, grande!

Você passou por algum momento marcante no Brasil?
Kennedy: Eu lembro que na primeira vez que tocamos no Brasil tínhamos alguém para traduzir as palavras para o português e eu perguntei como se falava “So fucking exccited” para eu poder dizer no palco, e ela me disse: “Estou feliz pra ‘caraio'”! (risos) Eu achei incrível e quando falei todos ficaram me olhando. Sempre lembro desse momento.

Qual a sua comida brasileira preferida?
Kennedy: Eu gosto muito de ir às churrascarias.

Caipirinha não?
Kennedy: Sim. Caipirinha, cachaça. Sabe, eu não costumo beber muito, mas no Brasil não tem como (risos).

Qual foi a coisa mais louca que já te aconteceu durante alguma turnê?
Kennedy: Nós estávamos em Chicago, tocando em uma quadra de basquete e ela pegou fogo. Foi uma loucura. Todos saíram correndo de lá.

Após tantas vindas ao Brasil, o que você já aprendeu em português, fora “Estou feliz pra ‘caraio'”? 
Kennedy em português: Eu lembro muitas palavras, mas quando converso com as pessoas, eu não lembro.

Pode deixar uma mensagem aos fãs brasileiros?
Kennedy: Em português?

Como você quiser!
Kennedy em português: Eu amo vocês e estou animado para a “Brazilian Candy Tour”. Espero que vocês venham curtir com a gente!

*Agradecimento: Xlive Music, The Maine Brasil e aos fãs que enviaram dezenas de sugestões de perguntas na nossa página. Perguntas selecionadas: Gabriel Abreu, Beatriz Dennis, Giulia Mandri, Mayara Cortez, Monique Proença, Rillary Bernardes, Beatriz Campos e Laninnia Ribeiro.